domingo, 30 de setembro de 2012

Uma Vida de vários momentos...





O que nos leva à nos apegar tanto em uma pessoa?

Discutimos isso sobre vários dias, mesmo que discutamos sobre isso, não chegaremos à uma conclusão exata.
Sabemos que as pessoas podem se tornar especiais em nossas vidas, mas quanto especiais elas podem ser?
Não há relatos sobre o que alguém sente por outra pessoa, não há toda uma sinceridade de verdade, as pessoas tem sempre que receber algo em troca pra poder retribuir... De fato as pessoas não estão erradas, porque, como saberemos se aquela pessoa irá mesmo confiar em nós, e vice-versa? Mas tem aquela coisa, as pessoas mesmo sabendo que podem confiar, “traem” porque isso ocorre?  O que leva uma pessoa a trair, se elas traem o que ganham com isso? Quando falo de trair, envolvo tudo num geral, e não só apenas traição entre um homem e uma mulher, mas como amizade também, porque as pessoas nunca estão felizes com as coisas?
Discutir isso não vai me levar à uma resposta coerente, mas sim à um desespero total, de querer sair correndo.
Visto que as pessoas sempre se apegam e desapegam muito rápido das coisas “pessoas”, vejo que elas não são felizes, claro que não falo apenas delas, mas também de mim, de você, é você que está lendo esse blog nesse momento, tanto se apega, como desapega fácil das coisas pessoas, mas que ainda não se ligou nisso que eu estou aqui falando, pensa mais em como você anda vivendo, pensa em como as coisas podem ser, se pra você parece tudo bem, pensa melhor...

PS: caso não tenham reparado, andei meio sumida deste meu pequeno espaço, mas hoje assistindo à um filme muito interessante, chamado “Julie & Julia” que por sinal adorei, me lembrei dos tempos que eu era tão fanática pelo meu Blog, que agora meio que me desliguei dele, e não sei direito a razão, mas espero, nesse momento estar começando a retornar pra cá.

Até a próxima meus caros amigos, tanto escreverei textos como esse, como meus bons e velhos poemas feitos por mim.
Beijos ♥

compartilhando uma musica que eu achei linda 


domingo, 9 de setembro de 2012

Sou culpada?!





Eu sei que sou culpada por não te dizer tudo, nem te falar como foi o dia, culpada por eu querer muito mais um espelho que um abraço, culpada por eu não saber a diferença entre o entardecer, e o amanhecer, mas sou mais culpada, por eu nem sempre estar onde deveria estar...


Não que não me importe
Mas você não me dá escolhas de uma vida
As tenta tirar
Não entrega-as

Não quero que se preocupe 
Mas tenho que dizer
Não sou culpada 
Não de querer a liberdade 

Mas jamais quis dizer que foi você
Você que a roubou
Apenas dizendo que tenho que partir
Não sou culpada de querer

Mas, sou culpada de tentar omitir isso...